No começo do mês de Agosto, Emeraude Toubia concedeu uma entrevista para a UMO Magazine, confira a tradução a seguir:

UMO: Em Julho vimos você na Comic-Com de San Diego com o elenco de Shadowhunters. Como foi com os fãs? É um momento no qual você realmente pode medir o afeto que as pessoas têm pelo seu personagem?

ET: A verdade é que essa experiência é única. Os fãs de todos os quadrinhos são muito especiais e expressivos; eles amam tanto esses personagens, se vestem como eles… Enquanto estávamos numa entrevista um fã nos falou o quanto esses personagens significam para ele, e até mesmo chorou. E isso é um momento muito intimo com todos os fãs e algumas vezes, pelo menos no meu caso, eu vejo muitos vestidos como minha personagem (Izzy) então é muito legal ver que o trabalho que você esta fazendo, colocando todos os seus esforços, e todo o seu amor, esta sendo refletido de uma forma tão positiva e que eles gostam.

 

UMO: Falando em quadrinhos, você consegue se ver como uma heroína latina como “Mulher Gato” ou “Mulher Maravilha”? E quais superpoderes você gostaria de ter?

ET: Oh imagina (risos). Eu acho que por agora eu posso dizer que estou feliz em fazer um tipo de heroína na televisão americana e também em todo mundo, já que a série é exibida pela Netflix, mas acredito que qualquer sonho de qualquer garota que quer ser atriz é poder ser. Está provado que as mulheres são agora superpoderosas, GirlPower… E, claro, eu adoraria interpretar uma Mulher Gato ou a Mulher Maravilha, seria algo espetacular.

Dependeria do personagem, mas eu pessoalmente gosto de Emeraude, e eu adoraria poder voar. Eu adoro conhecer diferentes lugares, refeições, talvez também ser invisível e caminhar em certos lugares onde as pessoas não podem me ver…  Sentar-me com  figuras públicas muito importantes ou  viajar no tempo, para ver o que foi a vida de Maria Felix ou Frida Calo, que me fascinam, coisas como o que os pais adorariam fazer.

 

UMO: Vindo do mundo da televisão, depois de ser uma apresentadora, e também ser modelo, você se adaptou rápido na atuação?

ET: Bem, eu estava muito assustada no começo. Eu tinha aulas de atuação na escola, e quando eu tive que me apresentar para meu exame final como uma solista (um monólogo), eu não fui para a aula eu estava com tanto medo e em pânico. Então sim me levou um pouco de tempo para ser confiante sobre mim mesma e mais que tudo fazer o trabalho pensando em mim, para me sentir satisfeita com o que estou fazendo, em vez de pensar sobre o que os outros dizem. Eu fiz aula com a professora Adriana Barraza, que é mexicana e que também foi indicada ao Oscar, então eu acho que ela me guiou, me ajudou a criar as quatro paredes no em que estou fazendo uma cena.

 

UMO: O que significou para você ser nomeado como atriz para um Teen Choice Awards?

ET: É a minha primeira nomeação individual como atriz. A verdade que eu não esperava. Eu lembrei como os artistas dizem “Apenas por ser nomeado eu já estou ganhando” e eu dizia “Claramente não”, você tem que ganhar para sentir que você vai ganhar. Então quando eu tive a experiência e eu disse “Wow“, agora eu já entendo por que eles dizem que ao ser nomeado já é como ganhar porque entre tantas meninas me escolheram, os fãs, a produção me escolheu para representar a corrente, o gênero  da minha série. Estou muito feliz. O simples fato de ser nomeada (risos) para mim já é uma grande conquista e é como vencer.

 

UMO: A segunda temporada de Shadowhunters já foi concluída, mas a terceira temporada já foi confirmada para o próximo ano.

ET: Sim, no momento eu estou de férias. Em uma semana eu voltarei para Toronto para filmar a nova temporada e eles já me enviaram o roteiro do primeiro episódio e muitas coisas vão ficar interessantes, muitas coisas que novamente não esperamos principalmente minha personagem, e vai ser uma nova aventura muito divertida e muito controversa para o curso aonde vamos.

 

UMO: A série é filmada  no Canadá, e você nasceu lá. Fato ou pura coincidência?

ET: Sim, destino ou vida. Agora também há muitas produções que estão sendo gravadas no Canadá por causa de taxas e questões econômicas, então é por isso que muitas pessoas vão lá. Olhe, o Canadá, e especialmente Toronto é uma super cidade, não imaginei que eu fosse passar um bom tempo lá; Tem restaurantes deliciosos, pessoas de diferentes tipos de culturas e nacionalidades, os lugares também são muito icônicos.

 

UMO: O que você aprendeu com a sua personagem Izzy em ‘Shadowhunters’? Você tem pontos em comum com ela?

ET: Nos somos muito semelhantes no quesito que eu sou muito ligada a minha família, e ela também é, e realmente morreria por eles. Nisso nós somos muito parecidas, mas eu acho que ela tem muita segurança sobre si mesma, ela sabe que a vida é curta e que temos que aproveitar ao máximo, é isso que eu tenho aprendido com ela, que temos que apreciar os pequenos momentos da vida e aproveita-los com nossos entes queridos e não ligar para o que as pessoas dizem. Pensando mais sobre o que eu quero, e isso não está machucando ninguém, lutar para alcançar o que eu quero.

UMO: Ao contrário de outros artistas ou atrizes, você continua a manter sua vida privada com grande descrição. Você acha que há coisas na sua vida pessoal que só devem interessar a você e a pessoa com quem você está nesse momento? Seja sua família, amigos ou parceiro.

ET: Cada pessoa decide o que vai fazer, mas se você vai se expor, não venha e diga: “Oh, eu não vou mais dar entrevistas”. É o que as vezes não entendo destes artistas que ensinam o belo,mas não querem ensinar isso de forma errada. Para mim é mais mágico quando as coisas estão entre uma pessoa e outra, assim fica íntimo. Sinto que quando você dá isso aos outros (informações pessoais), se perde um pouco do encanto, e talvez já se esteja vivendo, como eu disse antes, pelas aparências “Oh, o que essa pessoa ou outra vai dizer?” Melhor deixar assim ou não fazer certas coisas por ter medo porque se expulseram tanto para a mídia. Eu prefiro, não sei manter minha vida íntima e próxima e compartilhar certas coisas, mas não tudo.

 

UMO: No ano passado você realizou o seu sonho de ser a capa da revista Cosmopolitan para o México e a América Latina. Existe alguma outra revista na qual você gostaria de aparecer?

ET: Eu adoraria, eu não sei, acredito em um futuro ser capa da Vogue ou ELLE. Seria uma grande conquista… Mas pouco a pouco. Sinto que estou apenas começando, tenho muito a aprender. Eu continuo trabalhando, lutando e tentando ser uma versão melhor de mim todos os dias e sinto que, quando chegar a hora, obviamente ficarei muito feliz.

 

UMO: Além da Bachata, obviamente, quais outros estilos ou gêneros musicais você ouve frequentemente?

ET: Eu sou super romântica, eu amo baladas. Eu gosto muito de Camila, Reik, Bruno Mars… Músicas que faz você sentir.

 

UMO: Quando você irá para a grande tela? Existem algumas atrizes de Hollywood que você tem uma admiração especial?

ET: Já estou em conversações para um filme. E sim, meu próximo objetivo é começar a filmar um filme. Eu gosto da carreira de Lupita Nyong’o, que pode fazer algo para a Disney, mas também outros papéis como em ’12 Years a Slave’. Eu quero que as pessoas me vejam como uma atriz muito versátil, não quero ser rotulada em um tipo de personagem, quero que saibam que também posso assumir papéis diferentes e sim, eu quero papéis que me motivam e me desafiam.

Wow! Penélope Cruz, Salma Hayek, Jennifer Lopez… Elas foram atrizes latinas que realmente foram as primeiras a marcar o que é um ótimo crossover, do que é um Latino e um Hispânico para a America.  Agora, há uma nova geração de latinas, mas sinto que elas nos deixaram muito altas e é preciso continuar com esse repertório de ser dedicado, trabalhador, também ter coração e cuidar de outros. Eu sinto que elas fizeram uma ótima representação de quem somos.

Tradução & Adaptação: Equipe ETBR

Fonte